Reduto de cura

Quando práticas milenares como a tradição africana das tranças são revividas no presente, é necessário analisar de que modo a consciência do passado influencia a política e a formação de uma nova realidade. Na imagem, trancistas de salão afro do bairro de Madureira, no Rio de Janeiro, durante o trabalho. Além de trançar cabelos das mulheres, elas utilizam a conversa como modo de conscientizar e recuperar memórias africanas esquecidas e omitidas pelo colonialismo durante a diáspora negra. Salões étnicos como esse, são mais que locais de beleza: são reduto de criação, retenção e recuperação do orgulho negro.

2 votos

Categoria Arte urbana
Tipo Obra Única