Re-Corrente

Ao invés de progredirmos, parece que estamos andando para trás. Correntes que nem deveriam ter existido, ainda existem. E elas são reforçadas diariamente. Ouço relatos de situações que com certeza não aconteceriam comigo. Por que pessoas sofrem por simplesmente terem a pele diferente? Por que nós precisamos aprender que racismo é errado? Porque é cultural ser educado com ódio! E com ódio vem minha inspiração pra responder, de alguma forma, o que é empurrado diariamente. O ódio é recorrente. “E o contexto?”. É pesado, mas tentam fazer parecer leve. Encontrei na fotografia um jeito de falar, por perceber que muitas pessoas não estão abertas a conversar. São coisas tão óbvias, mas rebatidas com argumentos vazios… cheios de ódio. O senso de justiça corrompido. Defendem bons costumes, mas costumam desejar a morte. As palavras pesam, mas a consciência não. Me incomodo por ver tanta injustiça, mas é cômodo pra eu falar, na minha posição, no meu privilégio. Ver me incomoda. Mas e ser forçado a ver, sentir, viver e não ter a quem recorrer? A empatia podia mudar a visão das pessoas, mas ao contrário de enxergar o lado do outro, o outro é forçado a enxergar e se calar. Mas não vão calar! “Mas ele nem é tão preto”… A mania de tentar pintar um padrão. E a mania de tentar pintar um patrão? O preconceito está enraizado, nos ensinam quem serve e quem deve ser servido. Não sei como aprendi isso, mas tive que aprender que é errado. Vivemos uma cultura deturpada. Tudo isso que escrevo, me serve de autocrítica. Diariamente procuro meus erros e, infelizmente, sempre estão lá. Às vezes sutil. Sutil pra quem? O preconceito é recorrente, mas enquanto houver injustiça, os punhos continuarão erguidos.

0 votos

Categoria Ensaio/Story
Tipo Múltiplos