Isabel

“Quando passo pela porta, começo a jornada na vida e termino num encontro com o outro lado do espectro.” Isabel Perez Donha é um mistério. Uma história. Uma memória distante de família. Mas que levou a fotógrafa Patricia Montrase a uma viagem de conhecimento, autoconhecimento, encontros, reencontros e coincidências. Isabel morreu aos 30. Sua única herança foi uma foto que inspirou mais um trabalho de autorretrato, reunindo peças perdidas em meio a relatos de familiares. Após unir o quebra-cabeça, Patricia descobriu que a morte de Isabel foi marcada pelo nascimento. Seu filho nasceu, mas a vida e o trabalho não podiam parar. E tudo foi interrompido no resguardo. A morte chegou cedo em seu leito. E a insanidade chegou desavisada na vida do seu companheiro. Hoje, sua história ecoa no presente. O ensaio narra o passado e o presente. A dualidade. Vemos o encontro de dois mundos. Avó e neta compartilham os mesmos traços. Mas se dividem nas escolhas. E na dança, duas almas se encontram e entrelaçam. Para sempre. Eternizando uma vida e mais um registro em preto e branco. Pois todo fim é um recomeço.

0 votos

Categoria Ensaio/Story
Tipo Múltiplos